Gustavo A Vilela
O puro e ingênuo amor, pela doce arte das palavras...
CapaCapa
TextosTextos
PerfilPerfil
ContatoContato
Textos


              Era uma manha de sábado quando Claudio finalmente havia chegado a sua nova cidade, estava um pouco apreensivo, porém com bom humor e na esperança de que tudo havia mudar.
            Claudio era nascido em uma pequena cidade próximo a sua nova morada. Mesmo aquela sendo uma cidade vizinha ela não a conhecia, aquela grande capital era totalmente diferente de sua cidade natal.
            Já em seu novo apartamento, o qual iria morar sozinho, começou logo tirando as coisas das caixas e por um instante caiu em sua mente, de que ali haveria pessoas melhores,  uma esperança de que finalmente encontraria um pouco de felicidade.
            Claudio vinha de uma pequena cidade do interior nascido em uma família conservadora e ignorante ao mundo sofria bastante preconceito, seu gosto musical, suas roupas ate seu jeito de falar tudo era criticado. Ele nunca sentiu a sensação de poder ser ele mesmo.
            Algumas horas depois e com quase tudo no lugar ele então resolveu dar uma volta no quarteirão para conhecer um pouco sua vizinhança, andando por ali notou uma coisa interessante um detalhe simples que talvez nós mesmos nunca notássemos ou alguns de nós sempre nota.
Notou que ninguém reparava nele ou fazia comentários quando ele virava as costas naquele lugar ele era uma pessoa, ou melhor, dizendo era ele mesmo sem nenhum tipo de deboche ou critica.
            A noite foi em uma boate próximo de seu apartamento. Chegando lá ficou fascinado com as pessoas que ali estavam se vestiam como ele algumas já totalmente diferentes más que convivam tranquilamente sem julgar apenas debatendo com respeito ouvindo as opiniões e não criticando ninguém.
            Aquele era o ambiente tão sonhado por Claudio, ele podia se expressar sem medo suas roupas eram apenas roupas e seu jeito de conversar eram as mesmas, suas ideias estavam em sintonia com quase todos ali, ate os que não concordavam as ouvia debatiam porem não julgavam.
            Claudio havia finalmente encontrado o paraíso onde pudera ser ele mesmo, onde ele não se destacava pelo modo de se vestir ninguém o criticava muito pelo contrario era muito elogiado.
            Ele encontrou o que muitos de nós procuramos o nosso paraíso nada de céu nada disso e simplesmente um lugar onde se pode ser você mesmo, que muitas poucas pessoas têm esse prazer, ir aos lugares onde e respeitado e não se sente como se fosse um aliem.
 
Gustavo Vilela
Enviado por Gustavo Vilela em 02/06/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras